Mapeamento de startups em todo o Brasil busca fazer um retrato mais fiel do ecossistema nacional

Mapeamento de startups em todo o Brasil busca fazer um retrato mais fiel do ecossistema nacional

Inclua sua startup neste mapa nacional. O prazo para preencher o formulário segue até 20 de setembro

Uma parceria da ABStartups – Associação Brasileia de Startups - e Sebrae vai ajudar a definir o mapa atual das startups no país, além de compreender o ecossistema nas mais diversas regiões e suas característica locais. Até o dia 20 de setembro, você que tem uma startup em qualquer fase de maturação pode fazer parte deste levantamento.

Para participar é fácil. Basta acessar o LINK e preencher o formulário. São perguntas relativas ao perfil das empresas, como porte, perfil dos fundadores e setor de atuação, incluindo informações das comunidades. Com estes dados, será possível elaborar políticas, tomar decisões de investimento e pensar em soluções para construir um ecossistema melhor.

O último mapeamento, divulgado ano passado, identificou 46 startups em Blumenau, a maior cidade do Vale do Itajaí. Destes 34% estão na fase de tração e 16% já são scale-ups. Ainda que mais da metade destas (53,7%) tenha times pequenos (de 1 a 5 pessoas), há um pequeno universo (5%) de empresas que superam a marca de 100 colaboradores. Mais da metade operam no sistema de Software como Serviço (SaaS). Em termos de investimento, 16% destas já receberam algum aporte de anjos ou seed, enquanto 8% chegaram à rodada série A. Para acessar o mapeamento completo, basta acessar CLICANDO AQUI.  

Serviço
Participe do Mapeamento de startpus 2020
Acesse o link: bit.ly/Mapeamentos2020

Mapeamento local
O Centro de Inovação Blumenau (CIB) está prestes a ser inaugurado. No entanto, uma equipe qualificada já atua em várias frentes para ativar o ecossistema de inovação regional.

Entre as ações está justamente o monitoramento do ecossistema da região do Médio Vale do Itajaí. Dividido em três etapas, o monitoramento está na fase das entrevistas com atores de todo ecossistema. Em um segundo momento serão consultadas as bases de dados com informações pertinentes à inovação e, por fim, serão cruzados esses dados para uma melhor compreensão do ambiente de inovação regional.

Uma das premissas do trabalho do CIB é que ser um hub ‘one stop shop’, reunindo informações/dados de todo ecossistema e disponibilizando-os em D+0.

Por enquanto, este trabalho está sendo feito na sede do Instituto Gene, gestor do CIB, pelos bolsistas da Fapesc, que atuam diretamente na ativação do ecossistema de inovação. Estão sendo levantamentos dados de toda a região. A ideia é que este mapeamento local possa ajudar no mapeamento nacional.